Bafômetro para moderar a cidade

Paraiba_Micro_Pianco.svg

Nas reuniões da câmara de vereadores do município de Piancó (Paraíba), a presidência começou suspeitando que alguns vereadores chegavam embriagados às reuniões de trabalho. A dureza inusitada dos debates começou motivando dúvidas. Neste sentido, o presidente da Câmara, Pedro Aureliano da Silva, determinou a compra de um bafômetro, semelhante ao utilizado pelas autoridades policiais.

As regras de utilização do aparelho seriam determinadas pela Mesa Diretora, relativo às condições de aplicação e à punição para os vereadores apanhado em “flagrante delitro”, como escreveu o poeta Fernando Pessoa sobre o consumo de álcool. A Câmara relembrou um episódio específico, no qual um dos vereadores deixou cair ao chão uma garrafa de uísque, mas sem que se tenha sentido embaraçado ou sem que a situação se tivesse vindo a alterar depois.

A oposição saiu discordando. O vereador José Luiz da Silva afirma que a Câmara não tem o direito legal de forçar os vereadores a essa verificação. Já Antônio Azevedo Xavier se defendeu dizendo que seu cardiologista recomenda que tome cinco a seis doses de uísque por dia e que só o faz de manhã, enquanto as reuniões municipais são só à noite.

O caso fez manchete na imprensa nacional e até internacional, por seu caráter insólito. Nas caixas de comentários da notícia do portal da Globo, alguns comentadores manifestavam seu preconceito contra os nordestinos mas também acusando os vereadores de Piancó de serem uma vergonha para o Brasil.

Poucos dias depois da grande repercussão do caso, um órgão de mídia local voltou ao Piancó para verificar o andamento do caso. Anderson Pomini, um advogado especialista em direito político, confirmou o que já haviam declarado os vereadores da oposição, sobre o fato de ser ilegal e inconstitucional obrigar os membros da Câmara a se submeter a esse tipo de exame. Contudo, a compra dessa aparelho pela Câmara nada tem de ilegal. E segundo o que a mídia conseguiu apurar, os sintomas de “bebedeira” terminaram depois dessa decisão do presidente Aureliano da Silva, que já estará ponderando doar o aparelho.